domingo, 17 de fevereiro de 2013

O drama do relógio cuco


Meus 34 anos chegaram este mês. A comemoração foi em grande estilo! Tem coisa melhor do que passar o aniversário viajando? Eu sou sortuda (e trabalhadora!) e já tive a sorte de apagar as velinhas em Paris, Bariloche, Buritis (uai, sô!). Em 2013 mantive a tradição em Gramado. Quer saber? Nosso sul do país não fica devendo nadinha para esses outros roteiros estrelados. 


Comecei o dia com uma longa caminhada. Fui sozinha. Queria respirar o ar puro da Serra Gaúcha, observar o verde, esvaziar a mente e agradecer por essa vida cheia de saúde, amigos e família unida que eu tenho. Quando voltei para o hotel (Mega lindo! Vale um post sobre a decoração. Vocês querem?), chamei o marido e fomos tomar café da manhã. Um bolo de nozes me esperava. Como não se apaixonar por quem trata assim seus hóspedes? 

Daí veio o drama do relógio cuco...


Decidi que me daria de presente um relógio cuco. Vamos combinar que não é a coisa mais fácil do mundo de ser encontrada, né? A não ser que você esteja na Alemanha ou em Gramado. Pois é... o problema é que eram TANTAS opções que eu não sabia nem por onde começar!

Primeiro entrei na Black Forest. Lá recebi uma aula da vendedora. Perturbei muito a gauchinha Aline, que pacientemente me mostrou como funciona o cuco. Os relógios são totalmente feitos à mão. São importados da região da Floresta Negra, na Alemanha, onde são fabricados desde 1730. 

Quanto mais a guria detalhava o processo artesanal, mais eu me encantava pela ideia de ter o passarinho gritando cuco-cuco a cada hora na minha casa! Os relógios são esculpidas em uma madeira macia e as cordas são de ferro fundido.  


O legal do cuco é a variedade de modelos. Como tudo que é artesanal, não há um que seja idêntico ao outro. Sempre há uma pequena variação. Outra diversão: é um objeto interativo. Para mante-lo funcionando, você precisa dar corda. Existem os modelos de corda diária e semanal. Se você esquecer, ele para. 

A ideia é cuidar dele direitinho. Um cuco passa de geração para geração. Olha só quanto romantismo!


Como o que não falta em Gramado é descendente de alemão, logo eu encontrei outra loja. Ai, a vitrine da Kuko's foi feita pra mim....



Lá dentro, mais uma infinidade de relógios! Minha cabeça deu tic-tac. Como escolher? Fiquei ainda mais perdida! E daí o veio mais uma oficina de como manusear os cucos. O Eliézer abriu as casinhas e me mostrou: a máquina é feita para durar 100 anos. Será que a Alice vai gostar de cucos quando crescer?!


Depois de muita duvida, resolvi pedir para embrulhar este modelo mais moderninho, com a madeira pintada em branco e turquesa. Quando ele estiver pendurado, perto da minha máquina de costura, mostro para vocês! 


 Cuco! Cuco!




8 comentários:

  1. Geeeente, apaixonei! Vou me inspirar em você com essa história do aniversário viajando. :D Quero muito conhecer Gramado, quem sabe não começo por lá? :P Se bem que quero conhecer a cidade numa época fria e meu aniversário é dia 26... de dezembro. Hahahahahaha; Péssima data pra viajar, tá tudo chovendo no Brasil!

    Também adorei esse seu relógio cuco e a história disso. Coisas artesanais e com uma história assim são de fato muito legais. :)

    ResponderExcluir
  2. Querida Cela...
    Não sou de Gramado, e sim de Nova Petrópolis 35 km de distancia...
    Aqui nessa época não chove tanto ainda...Mais é janeiro e fevereiro...
    Mas Gramado adora se formar a neblina...e é geralmente bem fresquinha.. e se deres sorte faz frio no Natal... hehehhe
    Sim, ja teve ano que fez 10°C
    Bom, adorei o post!!!
    que bom que vc adorou Gramado!

    ResponderExcluir
  3. Vivis, Vivis, você comprou o modelo que de cara foi o meu escolhido de todo o post! Fiz um eeeee mental e comemorei quando li que o bonitinho turquesa que foi parar na sua casa e história de família! Por que, né? Cem anos? Uau! Que delícia de presente e aquisição!
    Um beijo e lindos 34 pra você!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Vivi!
    Estou adorando o teu "diário de férias". Amo Gramado e sou muito feliz por morar a menos de 150km desta cidade tão linda e poder ir sempre que posso.
    Beijos e uma ótima semana,
    Ju

    ResponderExcluir
  5. Vivi, amei sua estória sobre a escolha do Cuco e apesar de ter ido à Gramado diversas vezes, nunca me lembrei de comprar um Cuco para mim. Tive um quando criança mas nas inúmeras mudanças ele se perdeu e sempre quis ter outro. Anotei na minha lista de viagem por Gramado. E Feliz 34 anos e muitos mais de Felicidade com sua linda família. Beijos saudosos.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns! e olha, acho que vc acertou no cuco, esse azul é muito lindo!

    ResponderExcluir
  7. Oi, Vivi!

    Nossa, olha só que coincidência, já tinha planejado passar meu aniversário (06/08) em Gramado com o maridón. Quem sabe eu não traga pra casa um cuco também!

    Beijos e sucesso!!!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns.....Temos algo em comum.
    http://angelinawittmann.blogspot.com.br/2014/04/cuco-kuckucksuhr-o-relogio-feito-na.html

    ResponderExcluir

Ei, estou curiosa para saber o que você achou. É só escrever aqui, clicar duas vezes, e postar... Vamos alinhavar este papo?