terça-feira, 25 de novembro de 2014

Lese: um amor de tecido!




A lese é um dos meus tecidos favoritos e mais significativos. Lembra minha infância, as roupas da minha mãe e os vestidos das minhas avós. Existem vários tipos diferentes: com tramas mais abertas, bordados mais vistosos, tingimentos de diversas cores. Difícil escolher, viu?
 
Como o tecido já é especial, acho que a lese pede modelagens simples. Nada de babados, nem recortes. Cortei essa blusa a partir do molde de um vestido reto, com pences nas laterais. Há uma costura no centro das costas e uma pequena abertura com um colchete para o fechamento no pescoço.
 
O molde usado foi o Ultimate Shift Dress, da loja/ escola de costura inglesa (que sonho conhecer) Sew Over It. Comprei na loja online (os moldes são liiiindos! Veja AQUI). Demorou um tempão para chegar, mas valeu a espera!




Ainda não vesti... (fico namorando no manequim com dó de usar! Vê se pode?!) e ainda estou pensando como combinar. O que vocês acham? Sinto que essa é daquelas peças que vão bem do jeans rasgado à pantalona preta. Será?

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Minhas costuras no Superziper

 
Sou leitora do Superziper há anos. Sou fã da dedicação da dupla Andrea e Claudia. Elas mantém um dos raros blogs brasileiros de crafts. O SZ é cheio de dicas bacanas e tutoriais. Fiquei bem feliz quando elas me convidaram para colaborar com um post. Melhor ainda: para falar de um assunto que estou apaixonada, moldes para costurar roupas. Para ler é só clicar AQUI.
 
A Katia Linden, do Costura Katia, Costura , também participou do post do Superziper. A Katia está com um guarda roupas cada vez mais recheado de peças feitas por ela. Se você sonha com blusas e vestidos feitos em casa, recomendo uma visita por lá também!
 


domingo, 9 de novembro de 2014

Um Vestido em Paris

 

Foi em um fim de tarde, enquanto tomávamos um café, que  minha amiga Ruby me contou que preparava uma viagem a Paris. Ah! Paris! A cidade mais linda e romântica do mundo me desperta belas lembranças. Estive na Cidade Luz algumas vezes: na primeira vez que pisei na Europa, quando fui estudar francês, na minha lua de mel e para comemorar o meu aniversário de 30 anos. Uh la la! Acho que já é hora de voltar....
 
Assim que cheguei em casa, corri para a minha pasta de moldes. Queria muito encontrar algo para a Ruby levar na mala. As condições: tinha que ser uma peça prática, feminina, fácil de combinar e confortável. A Ruby é fotógrafa e precisava ter o movimentos livres para trabalhar_ mesmo enquanto passeia!




Escolhi um molde que super recomendo: o Lady Skater Dress, da inglesa Kitschy Coo. Fiz em malha de montaria marrom bem escuro. O tecido é bem suave e macio. Ah! E é leve e nada volumoso. Temos que pensar em espaço quando o assunto é bagagem. Certo?

 
O molde é vendido em PDF. Só comprar no site, baixar no computador, imprimir, montar as páginas e costurar! Ok, essa parte do cola-cola é um pouco chatinha, mas o resultado compensa a trabalheira. Já a execução é bem gostosa de fazer! Fiz o acabamento interno com a overloque, mas esse tipo de malha não desfia e dispensaria essa etapa. 


Depois de muito frio na barriga (toda costureira que faz algo para outra pessoa sabe o que é isso!!), o vestido serviu e a dona gostou. Mas até ela aparecer sorrindo aqui nas fotos vivemos juntas, via WhatsApp, um pequeno drama! Ao chegar a Paris, a Ruby descobriu que a mala tinha sumido durante o voo. Oh, não! O vestido!!!! Para o nosso alívio, 48 horas depois a bagagem reapareceu no hotel. Lá dentro, o vestido prontinho para flanar em Paris.


Fotos: Cássio Mendes David de Souza Filho (talentoso, hein?)

sábado, 1 de novembro de 2014

Um pouco de romantismo sempre vai bem!



Um pouco de romantismo sempre vai bem... Pode ser um vaso de flores na sala de casa (na minha sempre tem!), uma música antiga que toca no rádio do carro, um bilhete escrito à mão pelo filho. Pode ser também uma roupa. Melhor ainda se ela tiver sido costurada por você.
 
Foi amor à primeira vista por esse molde. Todos os moldes gringos são sempre batizados com um nome. E esse daqui merece ser chamado de Parisian Top. Não acham?

Seguindo as orientações da autora, cortei o corpo em malha e fiz a gola de tricoline (dessas que usamos para patchwork). Combinei uma malha off white com esse floral que sobrou do vestido que costurei para Alice. Lembram dele? Mostrei aqui. Gostei tanto dessa estampa que queria aproveitar tudinho. Feito! Não sobrou nem um retalho pra contar a história!




Sobre a execução... Foi mais tranquilo do que imaginava unir dois tecidos com estruturas tão diferentes. O acabamento interno foi feito com uma tira cortada em viés. Ficou bem digno.... pena que não tenho nenhuma foto para mostrar. Fico devendo!
 
Gostei tanto que costurei outro: azul marinho e branco. A alegria de vestir algo feito à mão merece ser compartilhada. Não acham?




Fotos: Ruby Fernandes

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Por uma vida mais doce!

Bolo de churros feito por mim! Receita do site I Could Kill For Desert, da Dani Noce

Sou filha de mãe mineira do interior, prendadíssima nas panelas, capaz de fazer os melhores pães de queijo, a feijoada mais incrível, as rosquinhas mais doces e fofinhas, o bolo sempre no ponto! Infelizmente não herdei esse talento. Mas, desde que tive meus filhos, me esforço para fazer um agrado para eles na cozinha. Ficarei feliz se quando eles crescerem, guardarem na memória ao longo da vida pelo menos algo gostoso feito por mim.
 
O bacana é que eles curtem se aventurar comigo. Juntos, lemos receitas, compramos livros, vemos vídeos no You Tube. Nossa última diversão tem sido assistir o canal da Danielle Noce. Vocês conhecem? Gente! A moça nos deixa de boca aberta! É bonita, mega falante, carismástica, tem cabelo de comercial do Kérastase, usa as roupas mais fofas e ainda cozinha que é uma beleza! Ah! E é super engraçada! Eu e meu filho Lucas, de 8 anos, damos muitas risadas enquanto aprendemos a fazer bolos, biscoitos, docinhos.
 
Virou um programinha nosso! Escolhemos entre os muitos vídeos. Caderninho na mão, Lucas me ajuda a anotar os ingredientes. No dia seguinte, vamos juntos ao supermercado em busca da farinha de trigo, do açúcar de confeiteiro, leite. Daí é uma farra só! Pesamos as medidas indicadas na balança, afinal somos finos! Essa coisa de "uma xícara disso", "um copo daquilo" é para amadores. Hahaha! Vestidos de avental nos sentimos os próprios Ratatouilles.
 
Depois, enquanto a receita assa, aproveitamos para fazer o que mais gostamos. Lucas monta seus intermináveis Legos. Eu costuro a barra de um vestido ou alinhavo uma blusa. Alice, 2 anos, perturba perguntando a cada 5 minutos se já está pronto. A ansiedade tem justificativa: um perfume de bolo quente toma conta da casa e abre o apetite de todos.
 
Por último, vem a alegria por ter encarado mais um desafio e a preocupação se a massa assada vai desgrudar da forma ou não. Hum! Dessa vez deu certo. Hora de forrar a mesa da cozinha, arrumar os pratos e talheres e  chamar a família para degustar. Aqui em casa um bolo não é só um bolo. É bem mais do que isso. Como diz minha musa Dani Noce, tudo "por uma vida mais doce".



quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Blusa de crepe: desenhada no Canadá, costurada (por mim!) no Brasil



Eu sempre gostei de passear pela internet para conferir o que outras costureiras estavam aprontando. Por muito tempo eu busquei as colchas de patchwork, as necessaires, jogos americanos, bolsas... mas agora ando fissurada nas roupas. Nossa! Como existe gente bacana pelo mundo produzindo as próprias blusas, vestidos, calças. Acho tudo muito divertido! Adoro ver as meninas posando felizes para mostrar orgulhosas o que fizeram. Hoje é a minha vez....



Tenho comprado muitos moldes em sites gringos. Funciona assim: você escolhe, paga no cartão de crédito e em minutos chega um arquivo em PDF por e mail. Daí é só imprimir, colar tudo e recortar no seu tamanho. Perfeito para as ansiosas que não aguentam esperar longos dias até o envelope chegar pelo correio.
 
Ontem, a Lia Gloria me perguntou sobre a equivalência entre as medidas das brasileiras e das estrangeiras. Acho que não há muita diferença. Pequenas adaptações serão sempre necessárias em todos os moldes, afinal ninguém tem corpo perfeito. Mas nada muito complicado... É só seguir as medidas sugeridas pelo autor e verificar quais se adequam melhor à você. É bom também ficar atento na modelagem: mais justa, mais solta... Como você prefere? E se a dúvida for muito grande, faça uma peça piloto (ou um muslin, como dizem as gringas) em um tecido farofento para confirmar como vai vestir. Depois, então, parta para o tecido do coração. 


A blusa que mostro aqui é a Belcarra Blouse (Para comprar clique aqui!) de um site canadense chamado Sewaholic. A autora é a Tasia e o mais legal é que ela desenha os moldes pensando em pear shaped woman, ou seja, para mocinhas com corpo em formato pera (busto pequeno e quadril largo). Tem coisa mais brasileira? As peças que mais aparecem lá são vestidos godês, saias amplas, soltas, feitas para não marcar nada que não deve aparecer....
 
Eu comecei pela blusa. As instruções vieram bem completas e eu não senti nenhuma dificuldade.  Escolhi um crepe com estampa alegre, com muitas árvores. As mangas são em modelo raglan, cortadas no viés. Gostei do efeito. O acabamento da gola é delicado: viés costurado por dentro. Gastei pouquíssimo material: arrematei minha blusa com 1 metro de tecido + 1 metro de viés de cetim!
 
Adorei este projeto e pretendo repeti-lo em um tecido liso. Acho que rende uma discreta e elegante blusa para ir ao trabalho. Quero costurar logo porque já estou de olho em mais uma blusa linda do Sewaholic!
 



Fotos: Ruby Fernandes

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Aula de Costura: Gola Peter Pan


Oi! Hoje eu vou ensinar como fazer uma golinha modelo Peter Pan. O molde foi desenhado por mim e ganhou o nome de Gola Ruby porque eu fiz para presentear minha fotógrafa estilosa e muito romântica! Fica como sugestão para as organizadas que já querem começar a planejar os mimos para presentear as amigas no Natal.



Você vai precisar de:
- molde gola Ruby. Deixe seu e mail no comentário abaixo do post que enviarei o arquivo em PDF gratuitamente pra você!
- 35 cm de flanela, algodão ou lã fina. Use um tecido liso ou estampa sem direção definida
- 35 cm de entretela termocolante fina
- fita ou um botão para fechar
- 10 cm de elástico rolotê
 



Como fazer:
 1. Corte duas vezes o molde no tecido. Corte a entretela uma vez.



2. Posicione o avesso do tecido com o lado termocolante da entretela e passe o ferro morno até grudar. Vá com calma porque a cola derrete fácil e pode queimar! Reserve o outro corte de tecido.
 
 
3. Agora que a entretela já está grudadinha é hora de alfinetar direito do tecido já grudado com a entretela + direto do tecido sem entretela.
 

4. Alfinete a fita de um lado e do outro. A fita deve ficar dentro, guardadinha lá no meio! Deixe uns 2 cms para fora como margem de segurança. Se você for usar um botão (como o modelo da foto), guarde o elástico rolotê lá no meio e deixe para costurar o botão quando já tiver terminado tudo.




5. Hora de costurar na máquina! Contorne a gola costurando. Atenção! Deixe cerca de 7 cms abertos para desvirar depois. Mnha dica: deixa a abertura na parte reta, na altura do pescoço. O acabamento ficará melhor. Passe a costura à máquina mais de uma vez por cima da fita ou do elástico (depende de qual modelo você está fazendo) para não correr o risco de soltar!



 
6. Faça pequenos piques com a tesoura nas curvas para acomodar melhor a costura.
 

7. Desvire puxando delicadamente pela abertura!Oba! Já está com cara de golinha! Encoste a ponta de um lápis nos cantinhos para abrir a costura e deixar esticadinho. Passe o ferro. Costure o botão!


8 . Feche à mão a abertura e saia desfilando por aí!

Ah! E não deixe de postar seu selfie no instagram e marcar o @ateliebasile. Estou curiosa para ver como ficaram as golinhas. Como eu costumo dizer, #maislegaldoquecomprar. Concordam? Beijo!
 
 
Fotos: Ruby Fernandes